Connect with us

Published

on

Após o Papa Francisco ter aceito, nesta quarta-feira (3), a renúncia de Dom Antônio Muniz ao posto de arcebispo de Maceió – agora arcebispo emérito -, o sacerdote escreveu uma mensagem de despedida ao fiéis. A mensagem foi compartilhada no instagram da Arquidiocese nesta manhã.

Conforme a publicação, Dom Antônio reconheceu que deixa esta cátedra “não por falta de amor”, mas reconhecendo os limites de suas forças. O sacerdote já vinha apresentando problemas de saúde e esse foi um dos motivos de ele ter pedido o auxílio de Dom Beto como coadjutor.

Com verdadeiro amor à missão que me foi confiada por Deus, recordo o meu lema de ordenação Episcopal “Erit Vester Servus” (Serei Vosso Servo), e tenho consciência de que deixo esse serviço pastoral, não por falta de amor, mas por reconhecer os limites de minhas forças, e tal como Jacó, seria capaz de começar a servir outro tanto, se não fora, ‘para tão longo amor tão curta vida’

Dom Antônio Muniz – Arcebispo Emérito de Maceió

Ele ainda expôs a sua felicidade junto ao ‘povo de Deus’ e a gratidão que sente de todos os fiéis. Dom Antônio encerrou sua mensagem parabenizando o mais novo arcebispo de Maceió, Dom Carlos Alberto, e chamando os católicos da Arquidiocese a estarem juntos com seu novo pastor.

Fui e sou feliz junto à porção do povo de Deus desta Arquidiocese, e a palavra que utilizo neste momento de despedida é gratidão. Acolhamos com amor e fé o nosso Arcebispo Dom Carlos Alberto Breis Pereira, OFM, recordando os ensinamentos do saudoso Papa São João Paulo II: ‘O povo de Deus, iluminado pela fé, deve ver esta vocação Divina e sobrenatural. Sendo dócil ao seu bispo, ajudando-o e apoiando-o com a prece e ação a cumprir esta missão sagrada que ele recebeu do alto’

Dom Antônio Muniz – Arcebispo emérito de Maceió

Confira, na íntegra, a carta de despedida compartilhada por Dom Antônio Muniz:

Com leal acatamento ao Magistério da Igreja e seu poder de jurisdição, venho, por este instrumento, comunicar a minha renúncia ao oficio de Arcebispo de Maceió, e, ao mesmo tempo, a aceitação do Santo Padre, o Papa Francisco, ao meu pedido de renúncia ao governo Pastoral desta Arquidiocese. Em Ato contínuo, assume a Arquidiocese como novo Pastor, o Arcebispo Coadjutor Dom Carlos Alberto Breis Pereira, OFM. Envelhecer, e, às vezes, adoecer, faz parte da vida, como nascer, crescer e morrer. “Das coisas visíveis, nada dura para sempre, mas tudo passa: Tanto na juventude, como as forças físicas, quer as comorbidades, quer as funções de poder” (Bento XVI, Angelus em Castel Gandopho a 1º de gosto de 2010).

Com verdadeiro amor à missão que me foi confiada por Deus, recido o meu lema de ordenação Episcopal “Erit Vester Servus” (Serei Vosso Servo), e tenho consciência de que deixo esse serviço pastoral, não por falta de amor, mas por reconhecer os limites de minhas forças, e tal como Jacó, seria capaz de começar a servir outro tanto, se não fora, “para tão longo amor tão curta vida”.

Posso agora dizer como o Apóstolo Paulo: “combati o bom combate, completei a corrida, guardei a fé” (2 Tim 4). Neste momento da minha vida, com o meu pedido de resignação do governo pastoral da Igreja de Maceió, manifesto meu reconhecimento de que absolutamente tudo procede da bondade de Deus, que me amou primeiro e chamou-me a servir no seu reino, sustentando-me com seu braço terno de Pai. Com a ajuda da Mãe Igreja, aprendi que Deus escolhe os fracos, como eu, que trazem em frágeis vasos de barro o tesouro do Ministério da Santa Igreja, para que todos reconheçam que um poder tão sublime vem de Deus e não dos homens.

Nestes quase 26 anos de Ministério Episcopal, dos quais mais de 17 nesta Arquidiocese, jamais tive a pretensão de julgar ter agido sempre acertadamente. Só há um justo juiz: Jesus Cristo, constituído por Deus Pai, Juiz dos vivos e dos mortos. Com esperança, permito-me confiar no julgamento do Senhor Jesus, que aplica o poder com prevalência da misericórdia acima da justiça.

Fui e sou feliz junto à porção do povo de Deus desta Arquidiocese, e a palavra que utilizo neste momento de despedida é gratidão.

Acolhamos com amor e fé o nosso Arcebispo Dom Carlos Alberto Breis Pereira, OFM, recordando os ensinamentos do saudoso Papa São João Paulo II: “O povo de Deus, iluminado pela fé, deve ver esta vocação Divina e sobrenatural. Sendo dócil ao seu bispo, ajudando-o e apoiando-o com a prece e ação a cumprir esta missão sagrada que ele recebeu do alto”.

Tenho bem presente em minha vida a cântico evangélico do velho Simeão, e quero repetir como João Batista: “Ele é que deve crescer e eu diminuir” (Jo 3,30), para que em todas as coisas seja Deus glorificado.

GazetaWeb

Advertisement
Click to comment

Deixe uma resposta

Verified by MonsterInsights